Paratleta tubaronense é bronze no Circuito Catarinense de Bocha Paralímpica

Tubarão

 

A atleta tubaronense de bocha paralímpica, Priscila de Souza Gonçalves, conquistou no último fim de semana, a terceira colocação na classe BC2, da 3ª Etapa do Circuito Catarinense de Bocha Paralímpica, disputada entre 9 e 11 de novembro, em Jaraguá do Sul.

 

A atleta, que tem como treinadora a professora Aline Crescêncio, também terminou em terceiro lugar na final geral. “Parabéns a paratleta, que representou mais uma vez muito bem a Cidade Azul. Nosso agradecimento a todos envolvidos nesse evento e também a nossa FME de Tubarão, somos gratos a todos”, ressaltou o diretor-presidente da Fundação Municipal de Esporte, Ernani Buerguer.

 

 

A modalidade – A bocha paralímpica é uma modalidade que abre portas para pessoas com grau severo de comprometimento motor e/ou múltiplo e está em mais de 50 países em todo o mundo. Ela pode ser jogada individualmente, em duplas ou em equipes, e é mista, ou seja, homens e mulheres competem juntos. Além de atletas PC, podem participar das partidas pessoas com outras deficiências, desde que as mesmas estejam de acordo com as regras estabelecidas. A Bocha Paralímpica é composta por 4 classes: BC1, BC2, BC3 e BC4. (Fonte: ANDE – Associação Nacional de Desporto para Deficientes)

 

Paratleta tubaronense é bronze no Circuito Catarinense de Bocha Paralímpica

Tubarão

 

A atleta tubaronense de bocha paralímpica, Priscila de Souza Gonçalves, conquistou no último fim de semana, a terceira colocação na classe BC2, da 3ª Etapa do Circuito Catarinense de Bocha Paralímpica, disputada entre 9 e 11 de novembro, em Jaraguá do Sul.

 

A atleta, que tem como treinadora a professora Aline Crescêncio, também terminou em terceiro lugar na final geral. “Parabéns a paratleta, que representou mais uma vez muito bem a Cidade Azul. Nosso agradecimento a todos envolvidos nesse evento e também a nossa FME de Tubarão, somos gratos a todos”, ressaltou o diretor-presidente da Fundação Municipal de Esporte, Ernani Buerguer.

 

 

A modalidade – A bocha paralímpica é uma modalidade que abre portas para pessoas com grau severo de comprometimento motor e/ou múltiplo e está em mais de 50 países em todo o mundo. Ela pode ser jogada individualmente, em duplas ou em equipes, e é mista, ou seja, homens e mulheres competem juntos. Além de atletas PC, podem participar das partidas pessoas com outras deficiências, desde que as mesmas estejam de acordo com as regras estabelecidas. A Bocha Paralímpica é composta por 4 classes: BC1, BC2, BC3 e BC4. (Fonte: ANDE – Associação Nacional de Desporto para Deficientes)

 

Paratleta tubaronense é bronze no Circuito Catarinense de Bocha Paralímpica

Tubarão

 

A atleta tubaronense de bocha paralímpica, Priscila de Souza Gonçalves, conquistou no último fim de semana, a terceira colocação na classe BC2, da 3ª Etapa do Circuito Catarinense de Bocha Paralímpica, disputada entre 9 e 11 de novembro, em Jaraguá do Sul.

 

A atleta, que tem como treinadora a professora Aline Crescêncio, também terminou em terceiro lugar na final geral. “Parabéns a paratleta, que representou mais uma vez muito bem a Cidade Azul. Nosso agradecimento a todos envolvidos nesse evento e também a nossa FME de Tubarão, somos gratos a todos”, ressaltou o diretor-presidente da Fundação Municipal de Esporte, Ernani Buerguer.

 

 

A modalidade – A bocha paralímpica é uma modalidade que abre portas para pessoas com grau severo de comprometimento motor e/ou múltiplo e está em mais de 50 países em todo o mundo. Ela pode ser jogada individualmente, em duplas ou em equipes, e é mista, ou seja, homens e mulheres competem juntos. Além de atletas PC, podem participar das partidas pessoas com outras deficiências, desde que as mesmas estejam de acordo com as regras estabelecidas. A Bocha Paralímpica é composta por 4 classes: BC1, BC2, BC3 e BC4. (Fonte: ANDE – Associação Nacional de Desporto para Deficientes)